13 de julho de 2024
TVBV ONLINE
Paulo Chagas

Ação e reação diante de escândalo político na Capital

Dois comissionados da Câmara de Vereadores e dois secretários municipais foram alvo de busca e apreensão / Foto: Polícia Civil

Um escândalo político. Foi o que a comunidade de Florianópolis vivenciou nesta última quinta-feira (18). A ação policial, com o desencadeamento da Operação Presságio foi o assunto do dia na Capital e em todo o Estado. Nem poderia ser diferente. Foram alvos, dois comissionados da Câmara de Vereadores e dois secretários municipais, do Turismo, Cultura e Esporte, Ed Pereira, e do Meio Ambiente, Fábio Braga. Ambos já exonerados, assim com os dois comissionados da Câmara, por determinação da Justiça. Da Câmara, um dos funcionários afastados é a esposa de Ed, Samantha Santos, que assessorava o vereador Marquinhos da Silva (PSC).

Abalo político

Fatos assim, ninguém quer. O prefeito Topázio Neto (PSD), havia antecipado que não iria passar a mão na cabeça de ninguém, e assim o fez. Exonerou os dois secretários, seguindo a recomendação da Justiça. Sem perda de tempo nomeou os substitutos: Zena Becker, para o Turismo, e Eduardo Sardá, para o Meio Ambiente. O trabalho deles se torna facilitado por já estarem ligados às pastas. Topázio, entende que assim não haverá prejuízo para o município. Por outro lado, politicamente, o fato deverá ser mais explorado. A oposição já se organiza, e quer abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). Em ano eleitoral, quer a chance de fazer o máximo de barulho. Até mesmo requerimento já foi protocolado.

Operação Presságio

A operação “Presságio” iniciou em meados de janeiro de 2021. Foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão nas cidades de Florianópolis, Brasília e Porto Velho (RO). As buscas foram realizadas nas residências dos investigados e em seus locais de trabalho. A operação Presságio visa apurar a suposta prática de crime ambiental de poluição, fraude à licitação, corrupção passiva, corrupção ativa, associação criminosa e lavagem de dinheiro, perpetrados, em tese, por agentes públicos em conluio com particulares.