29 de maio de 2024
TVBV ONLINE
Economia

Dia dos Namorados: Santa Catarina deve ter um incremento de 36,3% em vendas

A pesquisa da Fecomércio foi realizada com 2.100 pessoas, entre os dias 03 e 15 de maio,  nas cidades de Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Itajaí, Joinville e Lages

Segundo pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio), na média, o consumo deste Dia dos Namorados será de R$ 196,00, o maior valor da série histórica, com um expressivo acréscimo de 36,3% diante do que foi levantado pela mesma pesquisa em 2022, quando os consumidores afirmaram que despenderiam R$143,77.

Para o governador Jorginho Mello, as expectativas são boas. “Esta é mais uma data importante para o comércio catarinense. Depois do Natal e do dia das mães, o Dia dos Namorados é a comemoração que mais movimenta a economia do nosso estado. Além disso, a data é antecipada com um feriado e final de semana, período que muitas pessoas resolvem fazer viagens ao nosso estado ou até mesmo moradores de Santa Catarina que realizam bate e volta até nossos destinos”, enfatiza.

Pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta que 61% dos consumidores brasileiros pretendem presentear no Dia dos Namorados. De acordo com o levantamento, realizado em parceria com a Offerwise, a data deve levar 99,7 milhões de pessoas às compras no país, um aumento de 7,6 milhões em comparação com o ano passado.

Em média, o consumidor brasileiro deve desembolsar R$ 232 com os presentes do Dia dos Namorados, (R$ 36 a mais que no ano passado), valor que aumenta entre as classes A/B para R$ 293.

De acordo com o levantamento, 77% pretendem fazer pesquisa de preço antes das compras, sendo que 82% costumam fazer pesquisa na internet, principalmente em sites/aplicativos (71%), com destaque para os sites de varejistas (64%), sites / aplicativos de lojas de departamento (58%), os sites e/ou aplicativos de busca (57%) e os sites de comparação de preço (30%).

Foto: Freepik/Reprodução

Economia

Economia

Economia

Economia

Economia

Economia