18 de abril de 2024
TV Barriga Verde
Economia

Folia e economia: Procon de Florianópolis divulga pesquisa de preços de itens festivos

Entre os artigos de carnaval analisados estão perucas, máscaras, fantasias e confetes

O Procon Municipal de Florianópolis divulgou nesta terça-feira (6) a pesquisa de preços de itens festivos para o Carnaval 2024. O objetivo é auxiliar os foliões a adquirirem suas fantasias, glitters e adereços com consciência e de forma econômica.

Ao todo, os agentes do órgão visitaram quatro estabelecimentos e analisaram 33 itens, como plumas, confetes, fantasias infantis, máscaras e perucas.

Entre os artigos mais populares nessa época do ano, o que apresentou maior variação foi a máscara com glitter: ela pode custar de R$3,90 até R$39,99, uma variação de 925%.

 

Em seguida, o glitter em pó, com variação de 319%, custando em média R$12,95. Entretanto, cada 100g do produto foi encontrada em preços de R$ 4,99 a R$ 20,90.

A pluma de avestruz, com preço médio de R$ 20,50, foi encontrada à venda nos valores de R$ 25,99 e -R$ 15,00.

Já as fantasias e perucas, que apresentaram diferentes variações conforme os modelos, chegaram até R$101,40 e R$54,93, respectivamente. Os produtos mais baratos nessas categorias foram encontrados por R$ 19,95 e R$ 19,00.

“Nesse período do ano, é comum observarmos uma grande variedade de preços para as fantasias disponíveis. Essa discrepância nos valores pode ser atribuída a uma série de fatores, incluindo a qualidade dos materiais utilizados, o modelo e o tipo de fantasia. É importante que o consumidor fique atento à relação entre preço e qualidade na hora de fazer suas compras”, destaca o diretor do Procon Municipal de Florianópolis, Alexandre Farias Luz.

O secretário de Governo de Florianópolis, Fábio Botelho, conta que com esta iniciativa do Procon visa auxiliar a população que adora uma folia carnavalesca. “Queremos que as pessoas possam aproveitar as comemorações de forma segura e econômica, confeccionando ou comprando suas roupas em locais que vendem mercadorias legalizadas”.

 

Foto: TVBV/Reprodução

Economia

Economia

Economia

Economia

Economia

Economia