21 de junho de 2024
TVBV ONLINE
Segurança

Guarda Costeira dos EUA confirma morte de tripulação de submarino perdido

Em coletiva, a Guarda Costeira confirmou que o submarino implodiu com a pressão da água

A empresa OceanGate, dona do submarino que desapareceu, confirmou nesta quinta-feira (22) que a tripulação que estava no submersível morreu em uma implosão. Em declaração à imprensa, a Guarda Costeira dos Estados Unidos lamentou o caso e informou detalhes da investigação.

Em comunicado, a empresa informou que os homens eram verdadeiros exploradores, que tinham um espírito aventureiro e uma paixão pela exploração e proteção do oceano do mundo.

“Esses homens eram verdadeiros exploradores, que tinham um espírito aventureiro e uma paixão pela exploração e proteção dos oceanos do mundo. Nossos sentimentos estão com os cinco espíritos e todos os membros das famílias deles nesse momento trágico. Nós lamentamos a perda de vida e a alegria que eles trouxeram a todos que eles conheceram”, informou a empresa.

 

A Guarda Costeira confirmou que o submarino implodiu. “É muito cedo para dizer quando a catastrófica implosão ocorreu, mas estamos procurando há mais de 72 horas e nesse tempo todo não detectamos nenhum evento catastrófico enquanto os equipamentos estavam na água”, disse o Almirante da Guarda Costeira John Mauger.

Mais cedo, a Guarda Costeira informou que havia encontrado destroços que poderiam ser de submersível que desapareceu durante passeio para o Titanic. Em nota publicada no Twitter, os agentes informaram que “um campo de destroços foi descoberto dentro da área de busca por um ROV perto do Titanic”. O ROV é um equipamento controlado à distância, que chega até a profundidade do Titanic.

O Titanic está naufragado a quase 4 mil metros de profundidade e especialistas informam que não há possibilidade para um ser humano sobreviver tanto tempo e em uma pressão intensa. Em entrevista para a repórter Emanuele Braga, o coordenador e professor do curso de oceanografia da Universidade Federal do Espírito Santo, Agnaldo Martins, afirmou que a pressão feita pelo mar no corpo é superior do que o corpo pode resistir.

Fonte: Band
Foto: OceanGate Expeditions / Reprodução