13 de junho de 2024
TVBV ONLINE
Saúde

Julho Amarelo: Santa Catarina registrou quase 1600 casos de hepatites virais em 2022

Campanha alerta para testagem e diagnóstico precoce para o tratamento de hepatites virais

Virais e silenciosas, as hepatites B e C podem causar sérios problemas à saúde, como cirrose ou câncer hepático, e, até mesmo, levar à morte caso não sejam tratadas a tempo. Nesse sentido, a campanha “Julho Amarelo” alerta para a importância da testagem que viabiliza o diagnóstico precoce e o tratamento dessas doenças que fazem parte das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). No dia 28 de julho, é lembrado o Dia Mundial das Hepatites pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em Santa Catarina, os casos de hepatites virais são mais frequentes em homens e a faixa etária com mais registros está entre 40 e 59 anos. De forma geral, entre os anos de 2021 e 2022 houve redução tanto no número de novos casos de hepatite B, que passou de 896 casos em 2021 para 876 casos em 2022, quanto de hepatite C, que caiu de 819 casos em 2021 para 716 em 2022.

Gerente de IST, HIV/Aids e doenças infecciosas crônicas, da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE/SC), a médica infectologista Regina Célia Santos Valim destaca a necessidade de os adultos em geral testarem regularmente para as hepatites B e C. Mais ainda, ela chama a atenção para as gestantes, que devem fazer a testagem durante o pré-natal.

 

“O teste para as hepatites virais é gratuito e está disponível em todas as unidades básicas de saúde. Quanto mais cedo se souber ser portador do vírus B ou do vírus C, mais cedo se trata e mais cedo se cura ou se controla essa infecção. No caso das gestantes, a testagem é importante para evitar que a infecção seja transmitida ao bebê” — esclarece a infectologista Regina Célia Santos Valim

Além da testagem, existem outras formas de prevenção para essas infecções. Para a hepatite B há vacina oferecida gratuitamente na rede pública de saúde. A primeira dose deve ser aplicada no bebê logo ao nascer e as demais doses (vacina pentavalente) aos 2, 4 e 6 meses de idade. Pessoas não vacinadas nesta faixa etária podem receber a vacina em qualquer momento, independentemente da idade, em um esquema de três doses.

Outra medida de prevenção importante é o uso da camisinha em todas as relações sexuais. Os preservativos podem ser retirados de graça em todos os serviços de saúde. Outras medidas de prevenção passam por evitar o compartilhamento de objetos perfurocortantes como seringas, lâminas de barbear, material de manicure e pedicure e de uso pessoal, como escovas de dente.

As hepatites virais podem causar sintomas como cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, mas o aparecimento desses sintomas são pouco frequentes.

“As hepatites B e C são infecções bastante silenciosas e infelizmente a pessoa só vai fazer o diagnóstico em uma fase mais adiantada da doença, quando ela já tem cirrose hepática ou então quando já tem um câncer hepático. Então, estamos falando de doenças que não apresentam sintomas por um longo período na vida da pessoa. Por isso, é importante testar. Quanto mais cedo se souber ser portador dessas doenças, mais cedo a pessoa consegue fazer o tratamento e evitar a evolução para esses desfechos tão graves. A hepatite C tem cura e a hepatite B tem tratamento que interrompe a evolução da doença”, finaliza a gerente de IST, Regina Valim.

Foto: Josué Damacena – IOC/Fiocruz