23 de junho de 2024
TVBV ONLINE
Policial

Líder religioso vira réu por crimes sexuais contra seis mulheres em Tubarão

Foto: Banco de imagens

Segundo denúncia do MPSC, homem se aproveitava de ‘rituais espirituais’ para abusar das vítimas

Um líder religioso de Tubarão, no Sul de Santa Catarina, tornou-se réu após ser acusado de praticar abusos sexuais durante supostos rituais espirituais contra seis vítimas ao longo de 2023. O Tribunal de Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público (MPSC) na última sexta-feira (24), que pede a condenação do homem pelos crimes de estupro, importunação sexual e violação sexual mediante fraude.

Conforme o documento assinado pelo Promotor de Justiça Rafael Rauen Canto, da 1ª Promotoria de Justiça de Tubarão, o réu se aproveitava da autoridade e confiança dos fiéis para, supostamente, abusar das frequentadoras do local. Ele responde ao processo preso.

 

A denúncia aponta que o líder religioso teria se aproveitado de momentos vulneráveis das vítimas, todas mulheres, que o procuravam para aconselhamento ou rituais espirituais, para então praticar os atos libidinosos. Em alguns dos casos, o homem teria simulado estar incorporado por entidades espirituais e teria dito às vítimas que o problema delas só seria resolvido se praticassem relações sexuais com ele.

Ainda segundo o MPSC, ele supostamente aproveitava os rituais nos quais ficava mais próximo das vítimas para tocar o corpo delas. Em algumas das situações, o réu teria utilizado violência para impedir que as mulheres resistissem aos abusos, segurando-as ou cobrindo-lhes a boca.

> Siga nosso canal no WhatsApp e receba as notícias do TVBVonline em primeira mão

Como provas, a denúncia apresenta mensagens de cunho sexual que o líder religioso teria enviado às mulheres antes e depois das práticas criminosas. Todos os atos eram praticados sem o consentimento das vítimas.

Além da condenação pela prática dos crimes, o Ministério Público de Santa Catarina pediu à Justiça que o réu seja condenado a reparar os danos causados pela infração, com uma indenização de no mínimo R$ 50 mil para cada vítima.