27 de maio de 2024
TVBV ONLINE
Policial

MPSC apura suposto abuso sexual envolvendo um servidor público em Ponte Alta

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) oficiou o Município de Ponte Alta para que comprove ter adotado as medidas cabíveis na esfera administrativa, pois o crime teria sido cometido dentro de um estabelecimento da rede pública de ensino por um servidor público efetivo

Na última quarta-feira (1), a denúncia de um suposto caso de abuso abuso sexual e maus tratos, envolvendo um vigilante de uma creche em Ponte Alta, na Serra catarinense, e um cão. Imagens de uma câmera de segurança mostraram um comportamento suspeito do servidor público.

A Promotoria de Justiça da Comarca de Correia Pinto instaurou uma Notícia de Fato (NF). Se os fatos reportados por meio de denúncia anônima ao Ministério Público forem comprovados, caracterizariam crime ambiental previsto no artigo 32 da lei Lei nº 9.605, agravado por ter sido cometido contra um cão – animal doméstico – o que pode levar a uma pena de dois a cinco anos de reclusão e multa, em caso de condenação.

Na NF, o MPSC também requisitou à Polícia Civil que investigue o suposto crime de maus tratos ao animal. Ao Município, além de comprovar, no prazo de 10 dias, a instauração de uma sindicância ou procedimento administrativo, o Ministério Público solicitou informações sobre as condições de saúde do animal.

Entenda o caso

Segundo denúncia de um cidadão, ao Ministério Público, no dia 21 de fevereiro, durante a madrugada, o vigilante efetivo dos quadros do Município teria imobilizado um cachorro, nas dependências da creche, e introduzido uma cenoura no ânus do animal. Tudo teria sido registrado pelas câmeras de segurança.

O vigilante, então, teria sido chamado pelo Prefeito Municipal para esclarecer os fatos e, para disfarçar os maus tratos de natureza sexual que teriam sido praticados contra o cachorro, feriu as pernas do animal, com cortes, para alegar que o que as imagens teriam registrado seria, na verdade, a tentativa de tratar os ferimentos do animal.

Ainda sem data definida, o prefeito Edson Wolinger (REPUBLICANOS) e o Vice-prefeito, Gustavo da Silva (REPUBLICANOS), também são esperados para depor na 8ª Delegacia Regional da Polícia Civil.

Foto: Redes sociais/Reprodução

Policial

Policial

Policial

Policial

Policial

Policial