23 de maio de 2024
TVBV ONLINE
Política

Municípios catarinenses organizam medidas de segurança para escolas

Ataque em Blumenau fez quinta vítima fatal em escolas brasileiras em menos de duas semanas

Até o momento, pelo menos sete prefeituras de cidades catarinenses anunciaram medidas preventivas para reforçar a segurança nas unidades de ensino. O ataque da última quarta-feira (5) à creche particular Cantinho Bom Pastor, de Blumenau, acendeu alerta para a proteção nas escolas pelo Brasil.

No recente caso de Blumenau, quatro crianças morreram e outras cinco ficaram feridas. Nove dias antes, outro atentado escolar era registrado no Brasil. No dia 27 de março, uma escola de São Paulo também foi alvo de um ataque, no qual uma professora morreu.

Além da prefeitura de Blumenau, Chapecó, Florianópolis, Itajaí, Joinville, Lages, Palhoça e São José também decidiram reforçar a proteção na rede de ensino básico. Veja as principais medidas adotadas em cada município:

 

Blumenau

O prefeito Mário Hildebrandt anunciou que a prefeitura vai ampliar e implementar 125 câmeras de segurança em todas as escolas e CEIs do município, que estarão em pontos específicos e integradas à Central de Controle Operacional. Ele ainda frisou também que deve ser formalizado um termo de cooperação para que a PM também tenha acesso às imagens.

Além disso, o número de profissionais psicólogos nas instituições de ensino também será criado para atuar sempre que necessário junto às unidades de ensino. E um plano de contingência será produzido pelos órgãos de segurança pública e Prefeitura.

Chapecó

A partir de segunda-feira (10), vigias de praças e prédios públicos da Prefeitura de Chapecó e Guardas Municipais serão remanejados para reforçar a segurança nas creches e escolas da Rede Municipal de Ensino. A medida foi anunciada pelo prefeito João Rodrigues em reunião com os vigias e guardas, realizada na manhã desta quinta-feira, no auditório da Prefeitura. Das 84 unidades de ensino, 22 já têm vigias. Mas a intenção é que todas sejam contempladas. As maiores terão vigia e guarda.

Florianópolis

Uma reunião entre a Prefeitura e órgãos de segurança da cidade discutiu ações para reforçar o controle e monitoramento nas unidades de educação. Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Secretarias de Segurança Municipal e de Educação de Florianópolis decidiram por criar um protocolo de detecção de sinais para treinar professores e comunidade escolar. Um grupo de especialistas vai estudar medidas como botões de emergência e alarmes sonoros para alertar situações de perigo.

Além disso, uma linha direta entre comunidade escolar e forças de segurança está sendo criada para acionar tanto equipe de inteligência, trabalhando em prevenção, quanto atendimento urgente. “Nestas situações, é comum que sinais sejam dados pelo autor, mas as pessoas que percebem não tem a quem recorrer. Nossa ideia é ter uma equipe preparada de inteligência para esses casos”, explicou o Secretário Municipal de Segurança, Araújo Gomes.

Itajaí

Foram definidas algumas ações a serem tomadas neste primeiro momento, entre elas a intensificação das rondas da Guarda Municipal, Coordenadoria de Trânsito e Polícia Militar no entorno de escolas e creches da cidade; a criação de comissão permanente para agilizar e deliberar as ações; elaboração de protocolos de segurança nas escolas e treinamento de profissionais de educação; análise de todas as estruturas escolares para melhorar a segurança; além da implementação de um Botão do Pânico nas unidades escolares.

Outras sugestões preventivas, como portas giratórias, detector de metais, segurança armada, totem com câmera de segurança, e solicitação ao Governo do Estado de maior efetivo para a PM em Itajaí também foram abordadas na reunião e devem ser estudadas pela comissão formada.

Joinville

Na última quarta-feira (5), foi lançado um protocolo de atendimento às violências e saúde mental. O documento detalha os procedimentos que a unidade escolar deve realizar quando se deparar com denúncia ou situação de violência (como verbal, psicológica, física ou sexual). O protocolo teve colaboração de outras secretarias, como Saúde, Assistência Social e Proteção Civil e Segurança Pública.

Atualmente, a Rede Municipal de Ensino de Joinville já conta com 178 vigilantes e 3.936 câmeras distribuídas em 162 Escolas e Centros de Educação Infantil (CEIs). As unidades possuem, ainda, 3.137 sensores de presença, 162 interfones e 174 botões de emergência instalados em locais estratégicos e que, quando acionados, ativam a central operacional de segurança.

Lages

A Prefeitura de Lages está realizando desde as primeiras horas da manhã uma operação especial para garantir a segurança em todas as unidades de ensino da rede municipal. Na manhã desta quinta-feira (6 de abril) uma reunião com equipes das secretarias municipais de Educação, Segurança Pública, Diretoria de Trânsito (Diretran) e Defesa Civil definiu estratégias para que a operação acontecesse de forma imediata.

Estão sendo abrangidas 119 unidades, entre Centros de Educação Infantil Municipais (Ceims), Escolas Municipais de Educação Básica (Emebs), escolas do campo e Emeb Itinerante. As unidades escolares consideradas mais frágeis receberão atenção redobrada. Muitas escolas contam com câmeras de monitoramento, vigias e portão eletrônico, dificultando a entrada de pessoas desconhecidas.

Os agentes marcarão presença ostensiva nos horários de entrada e saída das crianças e alunos, e após o trabalho terá continuidade, com rondas de viaturas pela região onde estão localizadas as escolas.

Palhoça

A Secretaria de Segurança Pública de Palhoça convocou todos os guardas municipais e organizou um sistema de rondas ostensivas nas unidades escolares da rede municipal de ensino.

A Guarda Municipal de Palhoça (GMP) está com 20 agentes focados nesse trabalho, contando com a utilização de 12 viaturas (8 carros e 4 motos). Além da presença dos agentes da GMP, a Polícia Militar e a Polícia Civil também estão colaborando com a vigilância das escolas e creches do município. A segurança também foi reforçada com o uso permanente de cadeados nos portões.

São José

A secretária da Educação, Maria Helena Krüger, reforçou nesta quinta-feira (6) a necessidade de identificar a vulnerabilidade das estruturas internas e externas que impactam na segurança das escolas. Entre as medidas, reforçou o anúncio de implementar tecnologia para o acesso aos prédios escolares, investindo em sistemas de monitoramento, bem como mais investimentos nos serviços de segurança e de portaria.

Assembleia Legislativa

Na sessão ordinária da última quarta-feira (5), os deputados da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) destacaram o papel da Alesc para intervir na segurança das escolas e também apontaram possíveis soluções para evitar novos casos, como o possível uso de policiais da reserva para fazer segurança nas unidades de ensino. A proposição de cada parlamentar pode ser conferida clicando aqui.

Governo Federal

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criou um grupo de trabalho interministerial, ao qual caberá desenvolver estudos sobre contexto e estratégias e propor políticas de prevenção e enfrentamento da violência nas escolas. O decreto presidencial (11.469), que prevê a criação do grupo, foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (6). Além disso, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, anunciou a liberação de R$ 150 milhões para ampliar as patrulhas escolares em todo o país.

A coordenação e a secretaria executiva ficarão a cargo do Ministério da Educação. Participarão do grupo representantes (e respectivos suplentes) dos ministérios das Comunicações, da Saúde, Cultura, do Esporte, dos Direitos Humanos e da Cidadania, da Justiça e Segurança Pública, além da Secretaria Nacional de Juventude da Secretaria-Geral da Presidência da República.

De acordo com o decreto, o relatório final será enviado aos ministros titulares dos órgãos integrantes do grupo interministerial no prazo de 180 dias. “O Ministério da Justiça e Segurança Pública instituirá programa de apoio à constituição e à capacitação de rondas escolares e órgãos similares, no âmbito das polícias estaduais e das guardas municipais”, acrescenta o decreto.

Foto: Eraldo Schnaider

Política

Política

Política

Política

Política

Política