15 de julho de 2024
TVBV ONLINE
Economia

Número de inadimplentes cresce e atinge 67,18 milhões em março, aponta CNDL/SPC

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil/Arquivo

Pesquisa aponta que 4 em cada 10 brasileiros adultos estavam negativados

O número de pessoas inadimplentes no Brasil teve um aumento em março de 2024, em comparação com março de 2023. O número chegou a 67,18 milhões de endividados. A pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta que quatro em cada 10 brasileiros adultos (40,89%) estavam negativados em março de 2024. Na comparação com o mesmo período de 2023, o indicador apresentou crescimento de 2,67%.

A base de dados coletou informações de informações de capitais e cidades do interior de todos os 26 estados da federação, além do Distrito Federal. A CNDL e o SPC Brasil registram que a variação anual observada em março deste ano ficou abaixo da observada no mês anterior. Na passagem de fevereiro para março de 2024, o número de devedores cresceu 0,89%.

 

“Desde a pandemia as famílias se endividaram muito, chegando a patamares altos, onde essas dívidas se tornaram difíceis de serem pagas. Essa é uma situação que demora a se ajustar. Muitas famílias ainda estão se reequilibrando, os consumidores estão voltando aos empregos formais, mas ainda com renda mais baixa e com muitas contas atrasadas a serem pagas”, destaca o presidente da CNDL, José César da Costa.

A faixa etária de 30 a 39 anos (23,59%) é a que concentra o maior número de inadimplentes em março. De acordo com a estimativa, são 16,57 milhões de pessoas registradas em cadastro de devedores nesta faixa, ou seja, quase metade (48,67%) dos brasileiros desse grupo etário estão negativados. A participação dos devedores por sexo segue bem distribuída, sendo 51,12% mulheres e 48,88% homens.

Negativados devem em média R$ 4,2 mil

Em março de 2024, cada consumidor negativado devia, em média, R$ 4.397,99 na soma de todas as dívidas. Além disso, cada inadimplente devia, em média, para 2,10 empresas credoras, considerando todas essas dívidas.

Os dados ainda mostram que cerca de três em cada 10 consumidores (30,92%) tinham dívidas de até R$ 500, percentual que chega a 44,94% quando se fala de dívidas de até R$ 1.000.

Em março de 2024, o número de dívidas em atraso no Brasil teve crescimento de 4,91% em relação ao mesmo período de 2023. O dado observado em março deste ano ficou abaixo da variação anual observada no mês anterior. Na passagem de fevereiro para março, o número de dívidas apresentou alta de 0,47%.

Maiores altas foram com Água e Luz

As dívidas que mais tiveram alta foram com o setor de Água e Luz, com crescimento de 10,85%, seguido de Bancos (5,51%). Em outra direção, as dívidas com o setor credor de Comunicação (‐8,78%) e Comércio (‐2,13%) apresentaram queda no total de dívidas em atraso.

“Todo o contexto macroeconômico do país é relativamente positivo, mas isso demora a ser sentido no bolso do consumidor. Além disso, o início do ano é sempre um momento de gastos extras, o que dificulta ainda mais para as famílias conseguirem separar um valor para pagar as contas atrasadas. Tudo aponta para uma tendência de melhora no cenário de inadimplência, o que deve acontecer de forma lenta e inconstante, com algumas altas no caminho”, aponta o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Júnior.

Em termos de participação, o setor credor que concentra a maior parte das dívidas é o de Bancos, com 64,40% do total. Na sequência, aparece Água e Luz (11,45%), o setor de Comércio com 10,77% e outros com 7,26% do total de dívidas.

Na abertura por região em relação ao número de dívidas, a maior alta veio da região Sudeste (5,54%), seguida pelo Centro‐Oeste (4,80%), Nordeste (4,60%), Norte (2,01%) e Sul (0,78%).