13 de julho de 2024
TVBV ONLINE
Paulo Chagas

Prefeitura e Estado juntos na construção do Autódromo Internacional de Chapecó

Autorização do repasse de recursos formalizada entre Chapecó e o Governo do Estado / Fotos: Leandro Schmidt/PMC

Chapecó está vendo a concretização de um antigo sonho da comunidade, ou seja, poder contar com uma pista de automobilismo internacional, sendo a primeira de Santa Catarina, completamente asfaltada, com mais de 4km, localizada na Linha Cachoeira. Para tanto, o governador do estado, Jorginho Mello, e o prefeito de Chapecó, João Rodrigues, assinaram na noite desta quarta-feira (10) uma autorização de repasse de recursos estaduais para a obra, no valor de R$ 20 milhões. Já a Prefeitura irá investir R$ 33,4 milhões para a construção da pista, boxes e infraestrutura. Mais de mil pessoas prestigiaram o ato, realizado no templo da Get Church. A previsão é de em 2025 Chapecó já possa sediar provas. Segundo João Rodrigues, esse é um investimento que tem retorno aos cofres públicos pelo movimento que essa nova matriz econômica vai gerar, com a realização de provas nacionais, regionais, nacionais e internacionais. Os eventos vão atrair o staff das equipes, público, que vão movimentar os hotéis, restaurantes e serviços, além de gerar empregos. “Além disso vai incrementar o turismo na região. A Prefeitura já investiu no asfalto até a linha Cachoeira e isso já valorizou os imóveis”, disse o prefeito. Politicamente, João Rodrigues e Jorginho Mello mostram que estão afinados em um ambiente harmônico. O futuro próximo dirá qual a extensão da proximidade de ambos.

Deputado Mário Motta expõe um jeito diferente de trabalhar

Mário Motta durante entrevista / Foto: Alair Sell

Circulando por municípios da Amures, nesta semana, o deputado estadual Mário Motta (PSD), concedeu-me uma entrevista em meu programa Tema Livre, em uma TV fechada, e revelou as razões em que decidiu criar alguns mecanismos diferenciados na forma de atuar. O ex-apresentador de televisão, para começar, se elegeu sem o uso de dinheiro público a que tinha direito, através do fundo partidário. Nem mesmo o material de campanha oferecido pelo PSD, ele aceitou. Trabalhou sozinho e com pequeno apoio financeiro de amigos. Disse-me que na junção dos recursos, chegou a um valor de R$ 69 mil e uns quebrados. Foi este o valor total da campanha. Mesmo assim, ficou em primeiro lugar no partido e em décimo no geral, com mais de 56 mil votos.

Edital para Emendas Parlamentares Impositivas

No edital para emendas impositivas aberto / Foto: Alair Sell

Buscando a eficácia do Estado, ele desenvolveu na prática algumas políticas públicas, visando dar efetividade e qualidade aos serviços públicos. Um dos pilares em que se baseia, está na atuação contra a corrupção e o desperdício dos recursos públicos. A proposta é servir ao público, e não se servir do público. No contexto geral, apoia ideias que garantam a responsabilidade fiscal e uma maior desburocratização aos empreendedores, por exemplo. No caso das Emendas Impositivas, recursos legalmente indicados por deputados, ele preferiu não distribuir deliberadamente, e sim, criar um edital estabelecendo diretrizes de captação, com análise criteriosa e por fim a seleção de projetos. Fez isso na distribuição de recursos em 2024, e novo edital para 2025, já está aberto. Assim, órgãos e entidades da administração pública estadual, municípios e entidades sem fins lucrativos podem executar projetos de interesse público, e serem contemplados.

Contratos de obras da Secretaria de Educação

Um dos fatos abordados na entrevista, abrange os contratos de obras da Secretaria de Estado da Educação (SED). Importante dizer, que isso não é algo iniciado no atual governo. Vem de anos, de dois ou três governos anteriores. Mas que o atual, agora se deparou com um sério problema, explicitado pelo deputado Mário Motta. Num levantamento minucioso, e que já vem sendo discutido com a SED, das 311 obras na educação sob contrato, nenhuma está acabada ou entregue. Isso ocorre em todas as regiões. São obras em que empresas começaram e abandonaram, ou seguem, a partir de novos aditivos, e nem mesmo assim, terminam. O grau de atraso é de 263 dias, em média. Hoje, o levantamento feito pelo deputado e equipe, está servindo de instrumento para que o Governo, através da Secretaria de Educação, possa encontrar os meios para solucionar este “gargalo” que vinha sendo levado de “barriga”, pelos governos anteriores. O deputado avança ainda mais. Descobriu que só um pequeno percentual das escolas estaduais tem todas as documentações em dia. Esta é uma nova etapa do trabalho de fiscalização, para, juntamente com a SED e neste governo, regularizar a maior parte. A intenção é propositiva. Dá para imaginar quantos outros problemas similares devem existir nos demais setores.