21 de junho de 2024
TVBV ONLINE
Paulo Chagas

Programa Universidade Gratuita deve tramitar na Alesc na próxima semana

Penso que não resta ao Executivo, abrir uma nova perspectiva quanto ao Programa Universidade Gratuita, retomando a conversa com as universidades particulares com fins lucrativos. Jorginho Mello (PL), bem sabe que poderá perder politicamente, caso mantenha a proposta que atende apenas o sistema Acafe. Pelo projeto, as integrantes da Ampesc terão direito de 20% das verbas públicas, enquanto que as ligadas à Acafe ficam com a fatia de 80%. Por outro lado, o programa, entregue pessoalmente pelo governador no dia 16 de maio, aos deputados, na Alesc, já está tramitando nas comissões, mas sem deixar de ser alvo de muita polêmica e discussões. A previsão é de que o texto seja lido em plenário no próximo dia 13 de junho, e comece a tramitação. Antes, porém, o Governo do Estado terá de responder ao do Tribunal de Contas do Estado, o pedido de envio de documentos, visando esclarecer o detalhamento do Programa. O presidente da Alesc, o deputado Mauro De Nadal (MDB), adiantou que mantém a previsão de levar adiante o programa em plenário. A intenção do Governo é dar início a ele, já neste segundo semestre. (Foto: Rodolfo Espínola / Agência AL)

Caroline De Toni sondada para a prefeitura de Chapecó

Deputada federal Caroline De Toni / Foto: Facebook

O pleito de 2024 deverá apresentar novidades para compor o quadro de candidatos às prefeituras. Desde já, alguns nomes mais notórios surgem como possíveis concorrentes em praças consideradas importantes no contexto partidário. Praticamente todas as siglas querem fazer parte da representatividade. Nomes fortes que figuram na esfera federal, como deputados têm sido ventilados. Para a prefeitura de Chapecó, por exemplo, Caroline De Toni (PL), embora não tenha oficializado, tem sido apresentada como possível adversária para desbancar o atual prefeito João Rodrigues (PSD), que já se encaminha para tentar a reeleição. Entro na questão de Chapecó, porque lá, o prefeito, teoricamente, deverá se tornar um possível concorrente ao governo, em 2026, podendo vir a criar a possibilidade de bater de frente com o Jorginho Mello, que, com certeza irá buscar a reeleição. Tirar JR da Prefeitura poderá ter um significado futuro muito bem pensado. A deputada federal, é hoje, uma das mais atuantes no Congresso, e tem se destacado na função. Além disso, ao galgar a posição de prefeita de Chapecó, terá a seu favor o condicional apoio do Governador, que quer ver o Partido Liberal fortalecido, conquistando as principais prefeituras do Estado.

Mesmo princípio para a Prefeitura de Lages

Jorginho Mello e Carmen Zanotto em Lages, durante visita no HTR – Foto: Paulo Chagas

As candidaturas para a Prefeitura de Lages devem apresentar também nomes que possam ressignificar o contexto de gestão. Atualmente, sob o comando de uma estrutura base, do PSD, do prefeito Antonio Ceron, hoje sem condições de seguir marcando território, em função do prejuízo político causado pelas denúncias da Operação Mensageiro, pela qual, se tornou réu com várias acusações pesando sobre ele. Sendo assim, abre margem para a oposição que já vem trabalhando para lançar representante. Em Lages, dificilmente, qualquer nome que tenha ligação com o PSD, deverá vingar. Minha aposta é de que a deputada federal e hoje Secretária de Estado da Saúde, Carmen Zanotto (Cidadania) entre na dispiuta como favorita. No pleito passado perdeu para Ceron, por menos de 60 votos. Terá, obviamente, caso concorra, o apadrinhamento do governador Jorginho Mello.

Gestores ouvem Governo e esperam pela prática do discurso

Reunião com prefeitos em Itajaí -Foto: Eduardo Valente / Secom

Pressionado pelas audiências públicas capitaneadas pelas bancadas regionais, que passaram a discutir a situação das SCs no Estado e a liberação de convênios do Plano 1000, o governador Jorginho Mello decidiu pela conversa pessoal com os gestores municipais e evidenciar o trabalho que vem sendo feito. A proposta é a de ouvir as demandas dos prefeitos e atender as prioritárias. As reuniões com os prefeitos foram sem dúvida a melhor estratégia adotada pelo Governo do Estado, exatamente para dissipar a aparente indisposição ao trato das demandas envolvendo, em especial, a manutenção das estradas e a retomada de obras paralisadas. No meio da semana esteve conversando com gestores da regional de Itajaí. Por enquanto tem sido apenas conversas e promessas. O governador já ser reuniu com quase uma centena de prefeitos que passam a aguardar pacientemente pela prática do discurso. Na semana que vem, dia 15 de junho, numa quinta-feira, o encontro será com os gestores da Amures. A Serra tem muito a apresentar.