21 de junho de 2024
TVBV ONLINE
Cláudio Prisco

Progressistas, MDB e PSDB em Indaial

Anderson Batata (PP) – Ex-prefeito Lico Hardt (MDB) – Roger Knipers (MDB) – Ex-prefeito Luiz Polidoro (PP) – Ex-prefeito Serginho (MDB). Imagem: Assessoria PP / divulgação

10 de junho de 2024

Em Indaial, uma reviravolta política que muitos julgavam improvável ganhou os holofotes. Os três partidos mais influentes da cidade – Progressistas, MDB e PSDB – que já estavam fazendo oposição ao governo municipal atual, decidiram unir forças para as eleições deste ano.

Combinados, esses partidos somam 2.812 filiados, representando 50% do total na cidade, e já estiveram no comando de Indaial de 2009 a 2016. Liderando essa coalizão está o experiente vereador Anderson Batata (Progressistas), que em 2001 entrou para a história ao se tornar o vereador mais jovem de Indaial, eleito aos 21 anos. Agora, aos 45, Batata assume a liderança da chapa, apoiado pelo MDB e PSDB.
Batata, além de sua carreira política, é servidor público e professor universitário, com especialização em Gestão Pública, e mantém boas relações tanto em Florianópolis quanto em Brasília.

O vice da chapa será Roger Knipers, vereador do MDB, que se destacou pela sua atuação vigorosa na Câmara. A aliança, que antes parecia impossível, destaca a capacidade de liderança e articulação de Batata, bem como a disposição do MDB e PSDB de abrir mão de candidaturas próprias em prol de um objetivo maior.

Essa movimentação reflete a complexidade e a dinamicidade da política indaialense, onde alianças estratégicas e a habilidade de negociação são fundamentais. Trata-se de um exemplo claro de como a política, mais do que um jogo de poder e influência, pode levar a alianças e a união de forças, por mais improvável que pareça, em nome de um novo projeto de governo que levará Indaial à modernização, a um novo ciclo de crescimento econômico, a um novo patamar de atuação na gestão da saúde pública e a um novo olhar para a cultura, o turismo e o meio ambiente no município. Uma aliança que pode redefinir o cenário eleitoral e trazer novas possibilidades para a administração pública.