15 de julho de 2024
TVBV ONLINE
Cotidiano

Bombeiros alertam para afogamentos em água doce; confira dicas

O Corpo de Bombeiros orienta a população sobre os procedimentos em casos de afogamentos

Quando ouvimos falar em afogamento logo pensamos em praia, mas de acordo com a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), 90% dos afogamentos, no Brasil, ocorrem em águas naturais.

Sendo que os espaços de água doce, que podem ser rios, cachoeiras, lagos, lagoas, represas e córregos, concentram a maior parte dos afogamentos, alcançando a marca de 75%.

Em Santa Catarina, na última temporada, 20 pessoas perderam a vida vítimas de afogamento em água doce. Este ano, entre os dias 16 e 24 de dezembro, de acordo com o primeiro Boletim de Operação Veraneio 2023/2024 do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC), já foram registrados três óbitos por afogamento nesses espaços.

De acordo com o CBMSC, entre os adultos, os homens são as maiores vítimas. Alguns dos fatores são o excesso de confiança em sua aptidão física, ignorar os perigos da correnteza local ou fazer o uso de bebida alcoólica antes de banhar-se.

Com crianças, independente do tipo de ambiente aquático, os cuidados devem ser redobrados pois para eles um afogamento leve de poucos segundos pode deixar sequelas. A orientação é que toda criança esteja acompanhada por um adulto, mesmo em áreas com monitoramento por guarda-vidas. A utilização de colete salva-vidas também é indispensável.

Os bombeiros pedem atenção, pois outros dispositivos flutuantes, como as bóias de braço, são ineficazes e dão a falsa sensação de segurança.

Mais dicas para evitar acidentes:

– Não superestime sua capacidade de nadar. Avalie as consequências de um possível incidente;
– Prefira banhar-se em locais rasos e sem correnteza;
– Evite banhar-se sozinho – vá com amigos e familiares e/ou procure um local de banho conhecido, com outras pessoas e, se possível, com guarda-vida;
– Sempre avise o local que está indo para um parente e a hora programada para retorno;
– Adultos também podem usar coletes salva-vidas;
– Não nade após refeições;
– Antes de mergulhar, certifique-se da profundidade. Um acidente pode provocar sequelas irreversíveis;
– Se houver monitoramento de guarda-vidas, acate as orientações e atente-se às sinalizações.

Como reagir em caso de acidente:

Ainda seguindo as orientações dos profissionais, é indicado que a pessoa que esteja em um princípio de afogamento, mantenha-se calma e tente flutuar, colocando a barriga para cima. Desta forma, o rosto ficará fora d’água e os braços livres, permitindo que você chame por socorro.

Caso haja correnteza, não tente lutar contra ela; deixe-se levar com as pernas voltadas para o mesmo sentido do rio (protegendo a sua cabeça) e use os braços como leme para se aproximar aos poucos da margem.

Também existe a possibilidade de você presenciar um afogamento na sua frente; nesse caso, é muito importante que você não entre na água para fazer o salvamento se não estiver habilitado para isso – você pode se tornar mais uma vítima. Lance algum objeto que a ajude a flutuar e acione os guarda-vidas ou os bombeiros através do número 193.

 

Foto: CBMSC/Reprodução