23 de maio de 2024
TVBV ONLINE
Policial

Justiça de São Paulo solta investigados pelo tráfico do menino Nicolas

Dupla estava presa desde o dia 8 de maio

A Justiça de São Paulo, soltou Roberta Porfírio e Marcelo Valverde Valezi, que haviam sido presos em flagrante pelo tráfico do menino Nicolas Areias, de 2 anos, desaparecido em Santa Catarina no dia 30 de abril. A decisão de soltura foi proferida pela 6ª Câmara de Direito Criminal de São Paulo no dia 26 de maio. Quatro dias depois, em 30 de maio, a Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) por adoção ilegal.

Marcelo e Roberta, que não eram um casal com relação matrimonial, estavam presos desde o dia 8 de maio. Na noite do dia seguinte, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) converteu a prisão de flagrante a preventiva, levando em conta a “acentuada gravidade” do caso e a necessidade de “socorrer a ordem pública”.

Na argumentação da juíza que decretou a prisão preventiva no dia 9 de maio, não havia indicação de atividade laboral remunerada dos investigados, de modo que as “atividades ilícitas” seriam “fonte ao menos alternativa de renda”, indicando a possibilidade de que os suspeitos se sustentavam pelo cometimento de crimes. Dessa forma, a juíza considerou que “a recolocação em liberdade neste momento (de maneira precoce) geraria presumível retorno às vias delitivas, meio de sustento”.

 

Aliciamento

Dois casais estão envolvidos no aliciamento da mãe de Nicolas para que o bebê fosse entregue: Marcelo e sua esposa, e Roberta e seu marido. Para a delegada Sandra Mara, responsável pelo caso em Santa Catarina, a mãe do menino foi assediada por Marcelo Valverde desde a gravidez.

“Eu tenho essa convicção: esses grupos se aproximam das pessoas mais vulneráveis, mais frágeis, mais desesperadas. Isso foi um processo de dois anos. Teve momentos que ela [a mãe] estava mais forte e teve momentos que ela estava mais fraca. Neste momento ela estava mais fraca e foi quando ela cedeu e entregou a criança”, explicou a delegada Sandra Mara.

Foto: Reprodução

Policial

Policial

Policial

Policial

Policial

Policial