3 de março de 2024
TV Barriga Verde
Rodrigo C. Medeiros

Estudante universitário – Onde investir o dinheiro poupado no mês?

A vida de quem faz universidade e trabalha ao mesmo tempo é bastante corrida. Além de ir para universidade e para o trabalho, são livros que precisam ser lidos, preparação para as provas e diversas outras atividades universitárias, quase não sobrando tempo para uma vida social.

Nessa situação, como tirar um tempo para aprender sobre investimentos e aplicar melhor o dinheiro poupado no mês? Pois é, a minha resposta normalmente é, busque investimentos simples e evite investimentos que exijam mais tempo de dedicação para estudar.

Nesta fase da vida o seu foco total deve ser em buscar a melhor qualificação possível para potencializar os seus ganhos, especialmente quando acabar a faculdade, especialização, mestrado e assim por diante.

Isso não é justificativa para você descuidar do ato de poupar. Quanto antes você instalar o ato de poupar em sua rotina, mais fácil será de construir uma qualidade de vida financeira.

 

O fato é, não busque investimentos que demandem muito estudo, pois esta energia deve estar focada em aperfeiçoar a sua capacidade de fazer dinheiro. Além disso, busque investimentos que não precisem de muito tempo para gerar resultados, pois nesta busca por qualificação, você poderá precisar dos recursos para fazer um curso, comprar um livro ou outra atividade extracurricular importante para o seu desenvolvimento e para gerar networking.

Para esta fase da vida eu tenho três investimentos preferidos.

LCI e LCA

Um dos meus preferidos para esta fase da vida.

São investimentos de renda fixa emitidos pelo banco e contam com a proteção do FGC de até R$ 250 mil por CPF, além de serem isentos de imposto de renda.

Em corretoras de valores é possível que você encontre LCI/LCAs com boas rentabilidades. A rentabilidade desse investimento é geralmente expressada como um percentual do CDI. Geralmente, rentabilidades de 90% ou mais do CDI são boas para esses títulos, mas o ideal é sempre comparar.

Esses investimentos normalmente possuem um prazo mínimo que será necessário deixar os recursos. Busque aqueles de prazos mais curtos, de 90 (noventa) dias, geralmente o prazo mais curto que existe. Ter liquidez nesta fase da vida é importante, por isso prazos mais curtos. Evite ao máximo qualquer prazo acima de 180 (cento e oitenta) dias, não pelo risco do investimento, mas por sua possível necessidade de recursos.

CDB

É possivelmente um dos investimentos mais simples que existe e mais criticado, em tão de não ter grandes rentabilidades; no entanto, é uma boa opção para o universitário.

O CDB é um título bancário, também tem a proteção do FGC e a sua rentabilidade geralmente está atrelada ao CDI. Tudo como a LCI/LCA; no entanto, aqui não temos a isenção do imposto de renda.

A grande vantagem dos CDBs são os prazos de investimentos. Esses são bem variáveis, podem ter investimentos com liquidez diária, ou seja, você investiu hoje e pode sacar amanhã, sem nenhum problema. Como outros com prazos de alguns anos, sendo necessário aguardar este prazo para realizar o saque dos valores.

O ideal é usar os de liquidez diária, deixando aquele dinheiro acessível a qualquer momento. Se for para usar prazos mais longos, o ideal é buscar as LCI e LCA, em razão da isenção do imposto de renda.

A minha recomendação é usar este investimento para parte dos seus recursos investidos, algo como aproximadamente 30%, permitindo que, surgindo uma oportunidade de curso ou a necessidade de adquirir algum material, você tenha ali a disponibilidade imediata.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um excelente investimento para qualquer fase da vida, é um investimento relativamente simples, tem a garantia de que o devedor é o Governo Federal, ou seja, baixo risco de inadimplência, não há taxas administrativas e possuem boas rentabilidades.

É um investimento que possui a rentabilidade tributada também.

Como o objetivo aqui é permitir que o dinheiro seja acessado a qualquer momento e, quando este momento chegar você ter o dinheiro investido, acrescido de juros, e não menos do que investiu, é importante evitar investimentos que o valor investido tenha variação.

Por isso, evite os títulos Tesouro prefixado, Tesouro IPCA+, Tesouro Educa+ e Tesouro Renda +. Todos esses títulos podem sofrer variação do valor investido na medida que os juros da economia se alterem e, com isso, você ter um recurso menor do que o investido em alguns momentos.

Para esta fase da vida eu recomendo apenas o Tesouro Selic.

Investimentos como ações, fundos imobiliários, fundos de ações, ações no exterior e qualquer outro investimento em bolsa de valores, ainda que você tenha um perfil mais arrojado, podem atrapalhar o mais importante, o aperfeiçoamento profissional para ganhar mais.

Esses investimentos demandam mais tempo para se entender, além de serem suscetíveis a grandes variações patrimoniais. Ok, você até quer a variação para cima, como todos; no entanto, é possível que isso ocorra para baixo também, justamente naquele momento que você teria uma atividade imperdível e permitiria você fazer um networking fantástico ou trabalhar alguma nova habilidade.

Assim, a minha recomendação é bem pragmática, foque totalmente nas duas primeiras pernas do tripé das finanças pessoais, que é ganhar mais dinheiro e poupar, pois é isso que vai aumentar o seu patrimônio. Nesta fase inicial, não se preocupe, os investimentos mais simples já vão cumprir bem o papel. Quando as duas primeiras pernas do tripé estiverem sendo bem executadas, aí você busca investimentos de mais longo prazo e com rentabilidade superiores.

 

Rodrigo C. Medeiros

Rodrigo C. Medeiros

Rodrigo C. Medeiros

Rodrigo C. Medeiros

Rodrigo C. Medeiros

Rodrigo C. Medeiros