24 de julho de 2024
TVBV ONLINE
Cotidiano

Chapéu de formatura é recriado para atender cabelos de pessoas negras

Por Band.com.br | Foto: Caio Nigro/Vult/Divulgação

Movimento propõe redesenho do acessório, com versões para atender e ressaltar a diversidade e beleza brasileira dos vários estilos, curvaturas e tipos de cabelo

A formatura é um momento único, com símbolos marcantes, como o uso da beca e do capelo. Mas, para pessoas negras, o tradicional uso do chapéu pode não ser tão simples assim.

Apesar do aumento de estudantes negros em universidades, 400% a mais nos últimos 17 anos, segundo o Centro de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade de Brasília (UnB), o capelo ainda não atende à diversidade de cabelos da população brasileira, gerando desconforto e ações nada inclusivas, como alisamento não voluntário dos cabelos, prender o chapéu com tiaras, colar o acessório na cabeça ou até mesmo desistir de usar o item.

 

Se têm brasileiros de cabelos lisos, ondulados, crespos e cacheados, por que apenas um modelo de chapéu de formatura? Pensando nisso, a Vult, fomentou o movimento #RespeitaMeuCapelo que propõe o redesenho do acessório, com versões para atender e ressaltar a diversidade e beleza brasileira dos vários estilos, curvaturas e tipos de cabelo, gerando uma experiência mais inclusiva durante a formatura.

Em parceria com a Dendezeiro, composta por Hisan Silva e Pedro Batalha, CEOs e diretores criativos da marca baiana agênero e especialista na pluralidade dos corpos, foram produzidas quatro versões de capelos:

  • O primeiro é para cabelos com dreads ou trançados, tem estrutura rígida frontal e maleável por meio de um lenço para amarração;
  • o segundo é para usar com longos coques, turbantes ou penteados altos, e tem uma abertura circular no topo;
  • o terceiro atende a cabelos volumosos, crespos ou cacheados, e contém pentes para fixar; e o quarto encaixa em qualquer cabelo ou penteado, com uma estrutura passadeira na abertura para fixação.